segunda, 17 novembro 2014 18:37 Hits : 7983

O perfil dos pacientes de hoje

Pela nossa saúde não há barreiras. Cruzamos rios, subimos montanhas, tudo por uma vida melhor e mais saudável. Pesquisamos por curas, soluções e destino, tudo à distância de um clique.

 

A saúde tem vindo a ganhar destaque no topo das prioridades das pessoas. Nos dias que correm, existe finalmente a verdadeira consciência de que a saúde é o “bem” mais precioso das nossas vidas e por isso devemos continuar a procurar formas para melhorar ou até aumentar a qualidade da nossa existência.

Preocupamo-nos cada vez mais em consultar o médico quando sentimos que algo não está bem com a nossa saúde ou com a dos nossos familiares; exploramos novas formas de prevenção, pesquisamos dicas para dar saúde ao nosso quotidiano, praticamos mais atividade física, fazemos análises de rotina e vigiamos mais frequentemente o peso, os níveis de colesterol e de açúcar no sangue. E, por vezes, ainda procuramos uma segunda opinião médica no nosso país e viajamos além-fronteiras para consultar um especialista ou receber um tratamento. 

 

Pesquisar pela nossa saúde

Pesquisar saúde

A nossa saúde está na moda! E porquê? Porque realmente precisamos de nos sentir e de estar bem, mas essa não é a única razão. É também porque atualmente temos acesso imediato a gigas e teras de dados com informações provenientes de todo o mundo sobre qualquer tema e em várias línguas. Uma dor no peito? E fazemos de imediato uma pesquisa por sintoma. E se for mais sério? Procuramos logo uma lista dos melhores médicos locais, nacionais ou internacionais. É para começar um programa de exercício físico? Basta um clique e temos à nossa disposição os artigos dos blogues mais populares, escritos por nutricionistas e personal trainers conhecidos, que oferecem dicas e conselhos sobre como viver de forma saudável e equilibrada.

O mundo clínico está mais próximo de nós e é impressionante a quantidade de informação a que temos acesso na internet. Mas cuidado, é preciso saber pesquisar, fazer uma triagem da informação e recorrer aos conhecimentos e experiência de especialistas. 

 

Línguas que salvam vidas

Comunicar na língua do paciente pode mesmo salvar vidas. Cerca de 72% das pessoas com idades compreendidas entre os 30 e os 49 anos estão neste momento a pesquisar sobre assuntos específicos como sintomas, doenças, médicos especialistas, hospitais, tratamentos, seguros de saúde, cirurgias e também sobre como gerir o orçamento com despesas de saúde. O mais importante para o paciente é encontrar informação bem organizada e disponível em várias línguas, porque conhecer é também prevenir.

Um dos principais motivos para os pacientes hesitarem na escolha de tratamentos e consultas no estrangeiro é a barreira da língua, que gera limitações na comunicação com o médico e com o próprio hospital, bem como as repercussões de um mal-entendido no diagnóstico realizado, no tratamento recomendado e nos medicamentos receitados. E é assim que as línguas entram na relação paciente-médico: como aliadas para a “cura”, pois para que uma consulta fora do país seja realmente vantajosa, o paciente precisa de perceber cada palavra e o seu significado, sem margem para dúvidas, e para tal o recurso a profissionais especializados é fundamental para garantir a eficiência e o sucesso de todas as comunicações orais e escritas.

 

A saúde e o turismo 

Nem sempre ir ao estrangeiro por questões de saúde é sinal de más notícias. Associar a saúde ao turismo é uma forma de aproveitar durante o processo de recuperação os efeitos benéficos de umas pequenas férias. Pode parecer uma novidade, mas o turismo de saúde já existe desde os tempos das termas romanas e dos banhos turcos, em que as pessoas se deslocavam para experimentar o efeito curativo das águas.

A preferência pelos destinos “turísticos” é determinada pelo desejo de férias, como se de uma recompensa se tratasse. E nesta escolha, os critérios são os mais variados desde o preço, a qualidade e os especialistas até às condições climatéricas e à oferta de atividades turísticas e de recuperação. 

 

Seguindo os critérios dos turistas de saúde, já se começam a organizar rankings dos países mais populares em turismo de saúde, sendo que os seguintes cinco já se posicionam no TOP 5 ao nível mundial. 

1. Malásia

2. Tailândia

3. Índia 

4. Brasil

5. Espanha

 

Muitos são os rankings que selecionam os melhores destinos de turismo de saúde, e para entrar nessas listas é fundamental disponibilizar muita informação credível, quer na área da saúde quer sobre as características do destino para a recuperação, no conjunto de línguas mais pesquisadas na internet, para que o paciente possa fazer uma escolha acertada e sempre informada. 

Mas, para ser um destino popular no turismo de saúde, é necessário muito mais do que simplesmente reunir as condições ideais para ser reconhecido como tal. É necessário conhecer o mix de ingredientes necessário para posicionar um país enquanto destino preferencial de turismo de saúde. E mais importante ainda é importante saber comunicá-lo.

 

Os nichos de mercado na saúde

Na saúde comunica-se para nichos de mercado muito específicos, cada patologia, síndrome ou doença tem características próprias e pede tratamentos específicos. Um destino quente e húmido jamais será o destino ideal para tratar asma e alergias, já um clima frio dificilmente contribuirá para uma cirurgia a uma perna. 

Assim, importa reconhecer as características de cada região ou país enquanto um destino natural para o turismo de saúde em determinadas áreas. E é para esse nicho de mercado que se deve comunicar, utilizando uma comunicação específica que conjugue a informação médica e a informação turística, tudo para que o doente possa fazer a escolha mais acertada.

Na saúde e para a saúde a terminologia importa, e a tradução tem aqui um papel predominante que não pode ser tratado de ânimo leve. Cada palavra é determinante para a escolha do local que nos irá ajudar a recuperar da nossa doença. É importante conjugar os tratamentos com o clima, a geografia e a gastronomia local. Tudo contribui para o sucesso de uma boa recuperação.

 

Portugal prepara-se para alinhar no turismo de saúde

Portugal é um país cheio de segredos e tesouros por descobrir, escondidos nas paisagens mais verdes, na costa onde as ondas do mar batem energeticamente, nas montanhas que marcam os pontos mais altos do país, na calçada bem portuguesa e na música saudosa que canta um povo antigo. Todo o cenário se compõe para receber turistas de lazer, bem como os turistas de saúde.

O novo objetivo turístico para Portugal é promover esses segredos e qualidades climatéricas e geológicas como elementos benéficos para a saúde de quem nos visita. O termalismo, o spa e a talassoterapia constituem-se como oferta de um turismo com componentes médicas, que se articula perfeitamente para dar resposta a casos de problemas respiratórios e dermatológicos.

Na Europa, o turismo de saúde tem vindo a crescer em países como Alemanha, Bélgica, Itália, Reino Unido, Áustria, Suíça, Escandinávia e Espanha; e a concorrência pode ser feroz, contudo, Portugal tem vários fatores a seu favor que irão fazer com que os alemães, belgas, italianos, ingleses e todos os falantes de português no mundo venham receber cuidados médicos e aproveitar para explorar o nosso país.

 

Tendo em conta as características de oferta e procura de destinos “turísticos” de saúde pelas pessoas, Portugal tem potencial porque…

- O Sistema Nacional de Saúde é reconhecido internacionalmente, ocupando a 12ª posição no índice elaborado pela Organização Mundial de Saúde;

- Os profissionais de saúde têm experiência internacional, ou seja, possuem competências para comunicar com pessoas vindas do estrangeiro;

- Existem unidades hospitalares portuguesas acreditadas por sistemas internacionais, designadamente pela Joint Commission International;

- Os seus recursos termais são abundantes e as suas águas ricas em benefícios medicinais, sobretudo nas regiões Norte e Centro;

- As suas marcas de spas, situadas em unidades hoteleiras de referência, são reconhecidas por proporcionarem um bem-estar de qualidade;

- A sua extensa costa de mar é favorável para a prática de talassoterapia, um tratamento revitalizante para pessoas com problemas respiratórios e de pele, feito a partir da água do mar, das algas e da lama marinha; 

- E as condições climatéricas são amenas ao longo do ano, favorecendo certos pacientes com o seu efeito terapêutico.

 

Portugal é um forte candidato a tornar-se num destino de eleição para quem pesquisa online e a uma escala global as palavras-chave “saúde” e “lazer”. A diversidade cultural do seu povo e as características físicas, geológicas e climatéricas encontradas em terras lusas associadas à capacidade técnica do seu sistema de saúde combinam um mix único e apetecível para quem procura este novo conceito de turismo. E se a oportunidade surge, saibamos agarrá-la!

Modificado em quarta, 26 novembro 2014 18:03

Cátia Ferreira

Blogger na Inpokulis. Comunica e escreve por gosto, inspirando-se no mundo, no cinema e na literatura. 

Sítio: plus.google.com/u/0/112444848786510067089/posts

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

  • Desafios. Projetos. Pessoas. Sempre com uma rota bem definida, mas suficientemente flexível para num instante manobrar o leme na direção a seguir.
  • Marketing Executive na Inpokulis. Social media geek. Viciado em música e boa comida.
  • Blogger na Inpokulis. Comunica e escreve por gosto, inspirando-se no mundo, no cinema e na literatura. 
  • Gestora de Projetos na Inpokulis, Portugal. Apaixonada por línguas e culturas, viagens, cinema e boa música.